domingo, 27 de março de 2011

Afinal, o que é a fotografia?





A fotografia, antes de tudo é um testemunho. Quando se aponta a câmera para algum objeto ou sujeito, constrói-se um significado, faz-se uma escolha, seleciona-se um tema e conta-se uma história".

Comecei a escrever este post durante a semana, com a intenção de falar a fotografia como meio de comunicação. Mas, como não tive tempo de terminar de escrever, anotei as ideias principais para não correr o risco de esquecer o que queria falar.
E, foi muito interessante, porque no sábado – ontem – começou no meu Curso, o módulo de Composição e Linguagem Fotográfica, que super me ajudou para terminar de escrever o post. Durante a aula, várias ideias foram surgindo, e claro, escrevi todas em um papelzinho, e também anotei algumas coisas interessantes que a professora falou.
Os conceitos li no livro de Composição e Linguagem Fotográfica do IIF e reescrevi da minha forma.
Vou compartilhar com vocês um pouquinho de cada coisa que aprendi.

A linguagem fotográfica é simples de conceituar, ela de modo algum representa a realidade.  O fotógrafo depois que escolhe o enquadramento, o ponto de vista, a iluminação e o momento do “clique” realiza uma operação sobre a realidade e mostra a sua interpretação daquilo que ocorreu.

A linguagem visual é a expressão dos conceitos evidenciados através da imagem. Os elementos que caracterizam a comunicação visual são: composição, iluminação e informação.
A propósito, o termo linguagem visual é um erro. Porque para definição de uma linguagem, é necessário a existência de um código e de um repertório (espécie de vocabulário, de signos conhecidos e utilizados por um indivíduo) codificados. E isso não existe em relação às imagens. Mas na prática, nós fotógrafos nos comunicamos através dela.

E para finalizar, a composição é colocar em ordem. É um modo de reunir as partes para formar um todo.
Qualquer um pode juntar palavras, mas tem que ser muito bom nisso para ser um poeta.
Da mesma forma ocorre na fotografia, temos que dominar a linguagem visual para conseguirmos transmitir a mensagem final.
Compor nada mais é que organizar no espaço limitado da imagem bidimensional uma porção da realidade.
Henri Cartier-Bresson escreveu que “a composição deve ser uma de nossas preocupações constantes, até nos encontrarmos prestes a tirar uma fotografia; e então devemos ceder lugar à sensibilidade”.



"A fotografia está naquilo que vemos. Porém, aquilo que vemos depende de quem somos". 








segunda-feira, 21 de março de 2011

Fotografáveis



(…) Porque, uma vez que você começou - perorava-, não há nenhuma razão para parar. O passo entre a realidade que é fotografada na medida em que nos parece bonita e a realidade que nos parece bonita na medida em que foi fotografada é curtíssimo. (...) É só você começar a dizer a respeito de alguma coisa: "Ah, que bonito, tinha era que tirar uma foto!", e já está no terreno de quem pensa que tudo o que não é fotografado é perdido, que é como se não tivesse existido, e que então para viver de verdade é preciso fotografar o mais que se possa, e para fotografar o mais que se possa é preciso: ou viver de um modo o mais fotografável possível, ou então considerar fotografáveis todos os momentos da própria vida. O primeiro caminho leva à estupidez, o segundo à loucura."
Trecho do conto “A aventura de um fotógrafo”, de Ítalo Calvino.

Este é o primeiro Post do meu Blog. Aliás, estou muito animada por ter criado um! :)
Como vocês puderam ver no Título, aqui vou contar minhas histórias e dividir com vocês um pouquinho do meu trabalho como fotógrafa.
Me apaixonei pela fotografia há algum tempo, quando ganhei minha primeira câmera compacta, em 2007.  No finalzinho de 2008, ganhei minha segunda câmera, uma semi-profissional. Sempre fotografando as festinhas de família, casamentos de amigos e aniversários de vizinhos, como hobby, em 2010 escolhi a fotografia como minha profissão. Meus pais me presentearam com uma câmera Reflex da Nikon, foi quando comecei a ter alguns trabalhos remunerados. Com o desejo de fazer um curso de fotografia, em meados de 2010 encontrei na internet o IIF (Instituto Internacional de Fotografia). Depois de muitas repostas negativas dos meus pais, mas com muita insistência, no início deste ano eles me permitiram vir morar em São Paulo para fazer o Curso de Capacitação Profissional em Fotografia, no IIF. 

"Ao fotógrafo é concedido o mesmo êxtase criativo das artes, porém, apenas por uma fração de segundo".